Flexcor
DHRA - Soluções Técnicas e Anticorrosivas

Entre em contato:

vendas@tintasanticorrosivas.com.br

(11) 97300-4349 | (11) 4115-4759

Informações Técnicas

  Preparação da Superfície Metálica para Pintura


Preparação da Superfície – Aço Carbono

Desengorduramento – Sua função é a remoção de óleo, graxa ou qualquer outro contaminante que permaneça sobre a superfície, através da limpeza com panos ou trapos embebidos no solvente. Se o uso de solventes não der uma limpeza satisfatória, pode-se usar vapor com detergentes (desengraxantes).

Limpeza com ferramentas manuais – A remoção de carepas soltas de laminação, regiões oxidadas e tintas envelhecidas, podem ser feitas através do emprego de escovas de aço, lixamento, raspagem, entre outras ferramentas manuais.

Limpeza com ferramentas mecânicas – Método menos trabalhoso que a anterior, pois se empregam lixadeiras elétricas, escovas de aço, pistoletes de agulha, entre outras, para a remoção de carepas soltas de laminação, regiões oxidadas e tintas envelhecidas.

Limpeza por jateamento – O jateamento abrasivo é o método mais eficaz para remoção de carepas soltas de laminação, regiões oxidadas e tintas envelhecidas, com o emprego de areia ou granalha, escória de fundição de cobre e óxido de alumínio, aplicadas sob alta pressão.

Preparação da Superfície – Aço Galvanizado

Desengorduramento – Sua função é a remoção de óleo, graxa ou qualquer outro contaminante que permaneça sobre a superfície, através da limpeza com panos ou estopas embebidos no solvente.

Os produtos resultantes da corrosão branca do zinco devem ser removidos com água sob alta pressão ou lixamento manual. Pode-se usar o jato ligeiro (brush-off), lavando a seguir com água, para assegurar a remoção dos sais solúveis de zinco. Após a limpeza e secagem do substrato, aplicar primer de alta aderência (Primer epóxi isocianato, bicomponente), próprios para superfícies não ferrosas.

Preparação da Superfície – Alumínio

Desengorduramento – Sua função é a remoção de óleo, graxa ou qualquer outro contaminante que permaneça sobre a superfície, através da limpeza com panos ou estopas embebidos no solvente. Caso o substrato estiver com indícios de corrosão, fazer um ligeiro lixamento com posterior lavagem. Deixar secar e aplicar primer de alta aderência (Primer epóxi isocianato, bicomponente), próprios para superfícies não ferrosas.

Preparação da Superfície – Concreto

Novo – Não aplicar qualquer tipo de revestimento sem que o concreto esteja seco e curado pelo menos há 25 dias (25°C). A nata de cimento e pó solto formado na sua superfície devem ser eliminados, para que haja uma perfeita aderência do sistema. O tratamento adequado para a redução da alcalinidade do concreto é o tratamento ácido. Adicionar ácido muriático a 15% em água, homogeneizar com espátula de madeira, aplicar sobre o concreto, deixando-o agir até que a superfície apresente uma aparência rugosa e áspera. Lavar com água abundantemente, não deixando formar poças. Esperar secar e aplicar o revestimento especificado.

Velho – A nata de cimento e pó solto formado na sua superfície devem ser eliminados para que haja uma perfeita aderência do sistema. O tratamento adequado para superfícies de concreto velho é o jateamento ligeiro. Escovas rotativas podem ser usadas, mas requerem mais trabalho. Outro método é o do ácido muriático já descrito acima.

Graus de Oxidação

GRAU A Superfície de aço completamente coberta pela carepa de laminação, intacta e aderente, com pouca ou nenhuma corrosão.
GRAU B Superfície de aço com princípio de corrosão, cuja carepa de laminação tenha começado a desagregar-se.
GRAU C Superfície de aço cuja carepa de laminação tenha sido removida pela corrosão ou possa ser retirada por meio de raspagem, apresentando pequenos alvéolos.
GRAU D Superfície de aço cuja carepa de laminação tenha sido removida pela corrosão, apresentando corrosão alveolar de severa intensidade.

Graus de Preparação por Ferramentas Manuais e Mecânicas

Padrão St 2:

Superfície de aço completamente raspada e tratada manual ou mecanicamente com escova de aço, etc. O tratamento deve remover a carepa de laminação solta, a ferrugem e qualquer outro material. A superfície deve ser limpa imediatamente, com aspirador, com ar seco e comprimido ou escova de pêlo. O aspecto deve corresponder a um suave brilho metálico, de acordo com os padrões fotográficos da designação St 2. Este tratamento não se aplica a superfícies que apresentem grau A de corrosão. Os padrões atingidos são: B St 2, C St 2 e D St 2 da Norma SIS 05 5900 – 1988.

Padrão St 3:

Superfície completamente raspada e tratada manual ou mecanicamente com escova de aço, esmerilhadeira, etc, de forma mais minuciosa e rigorosa do que a anterior. Após a remoção do pó, a superfície deve apresentar brilho metálico claro. O aspecto deve corresponder às gravuras com designação St 3. Este tratamento não se aplica a superfícies que apresentem grau A de corrosão. Os padrões de limpeza são: B St 3, C St 3 e D St 3 da Norma SIS 05 5900 – 1988.

Tratamento por Jateamento Abrasivo em Aço

Consiste no melhor preparo de superfície de aço pelo emprego de areia, granalha de aço ou outros abrasivos.

Padrão Sa 1: Limpeza por jateamento abrasivo ligeiro (BRUSH-OFF)

Carepas de laminação soltas, ferrugem e matérias estranhas devem ser removidas. A superfície deve ser limpa imediatamente com aspirador, ar comprimido limpo e seco ou escova limpa. A aparência final deve corresponder aos padrões fotográficos e visuais, conforme Sa 1. Este tratamento não se aplica a superfícies que apresentem grau A de intemperismo. Para os demais, os padrões de tratamento são: B Sa 1, C Sa 1 e D Sa 1 da Norma SIS 05 5900 – 1988.

Padrão Sa 2: Limpeza por jateamento abrasivo comercial

Praticamente toda carepa de laminação, óxidos e outras impurezas são eliminados por este tratamento.
Se a superfície possui alvéolos (crateras), pelo menos 66,7% da área de 6,45cm² deverão estar livres de resíduos visíveis. A superfície deve ser limpa imediatamente com aspirador, ar comprimido limpo e seco ou escova limpa. A aparência final deve corresponder aos padrões fotográficos e visuais, conforme Sa 2. Este tratamento não se aplica a superfícies que apresentem grau A de intemperismo. Para os demais, os padrões de tratamento são: B Sa 2, C Sa 2 e D Sa 2 da Norma SIS 05 5900 – 1988.

Padrão Sa 2 ½: Tratamento por jateamento abrasivo ao metal quase branco

Carepas de laminação, ferrugem e matérias estranhas devem ser removidas de maneira tão perfeita que seus vestígios apareçam somente com manchas tênues ou estrias. A superfície deve ser limpa imediatamente com aspirador, ar comprimido limpo e seco ou escova limpa. A superfície deve apresentar aspecto correspondente aos padrões fotográficos e visuais, conforme Sa 2 ½, com seus respectivos graus de intemperismo: A Sa 2 ½, B Sa 2 ½, C Sa 2 ½ e D Sa 2 ½ da Norma SIS 05 5900 – 1988.

Padrão Sa 3: Limpeza por jateamento abrasivo ao metal branco

Carepas de laminação, óxidos e materiais estranhos devem ser removidos totalmente, que lhe dará uma aparência cinza clara e isento de manchas ou estrias. A superfície deve ser limpa imediatamente com aspirador, ar comprimido limpo e seco ou escova limpa. A aparência final deve estar de acordo com os padrões fotográficos e visuais, conforme Sa 3, com seus respectivos graus de intemperismo: A Sa 3, B Sa 3, C Sa 3 e D Sa 3 da Norma SIS 05 5900 – 1988.

Considerações Gerais

Antes do jateamento abrasivo, o aço deverá estar livre de gorduras, graxas ou óleos, através do desengorduramento com solventes embebidos em panos ou estopas, vapores de solventes ou outros métodos que eliminem estes contaminantes.

Após o jateamento, a superfície deverá ser limpa por meio de escova, aspirador de pó, jato de ar seco, para a remoção de grãos de areias e particulados.

Os cordões de solda e arestas vivas devem ser esmerilhados para evitar baixa espessura de tinta nas arestas vivas, diminuindo sua proteção. Praticamente não se consegue cobrir de maneira uniforme respingos de solda, que devem ser removidos para evitar falhas prematuras da pintura.

Tratamento Por Hidrojateamento

O hidrojateamento é uma boa técnica de limpeza de superfície onde se utiliza água a altíssima pressão para se obter uma superfície adequada para pintura. Como não são utilizados agentes abrasivos durante o processo de hidrojateamento, elimina-se a geração de partículas finamente divididas, sendo a sílica a mais crítica entre elas.

Este sistema de limpeza é ideal para áreas onde existem certas restrições, tais como:

  • Poluição pela suspensão de partículas provenientes do abrasivo;
  • Contaminação de equipamentos e processos por areia;
  • Dificuldades operacionais, tanto em plantas químicas quanto em plataformas offshore que não podem sofrer paradas no processo, etc.

Existem vários termos utilizados no preparo de superfície utilizando-se da água à alta pressão. Os termos hydroblasting, water jetting, hydrojetting e water blasting são utilizados para se referir ao hidrojateamento.

Preparação da Superfície Metálica para Pintura

Segundo a NACE / SSPC-SP-12, o hidrojateamento é um processo em que a água a pressões superiores a 10.000 psi é forçada através de um bico, objetivando limpar a superfície submetida a este tratamento.

Consideram-se normalmente duas faixas de operação das pressões no hidrojateamento à alta pressão (HPH), cujas pressões variam de 10.000 a 25.000 psi (680 a 1700 bar), e o hidrojateamento à ultra-alta pressão (UHPH), onde se trabalha com pressões acima de 25.000 psi (acima de 1700 bar).

Existe uma grande dificuldade para se definir os padrões de limpeza da superfície por hidrojateamento, como no caso de substratos preparados conforme jateamento a seco (com abrasivo), que segue os padrões da norma SIS 05 5900.

A característica mais interessante dos benefícios do hidrojateamento é a redução substancial da presença de sais, principalmente cloretos, e a remoção de outros materiais solúveis em água. Sais, quando não removidos antes da aplicação do esquema da pintura, podem causar bolhas no filme de tinta aplicado, por causa da osmose.

Existe um manual, o STG-2222, editado pelo German Shipbuilding Technical Society, que inclui padrões de preparo da superfície por hidrojateamento revestido com sistemas de tintas envelhecidas, bem como com grau de intemperismo C e D, conforme a norma SIS 05 5900.

Este manual tem três graus de preparo, que seria Dw1, Dw2 e Dw3, onde o DW3 é com melhor qualidade de preparo.

É importante salientar que este manual contempla várias condições da situação prévia da superfície antes de ser hidrojateada, que pode variar do grau C de corrosão até superfícies pintadas, e ainda com tintas com vários tipos de tintas.

Com o controle de pressão, pode-se remover seletivamente camada de tinta em superfícies já pintadas, conseguindo-se assim só remover as camadas mais danificadas.

O preparo de superfície feito por hidrojateamento não produz o perfil de rugosidade no aço novo e com carepa de laminação.

Padrões Visuais de Preparação

Norma Sueca SIS 05 5900 1988
ISO 8501 1 1988

—— Grau A ——

Grau A

Grau A

A Sa 2 1/2

A Sa 2 1/2

A Sa 3

A Sa 3

—— Grau B —— 

 Grau B
Grau B
 B Sa 1
B Sa 1
 B Sa 2
B Sa 2
 B Sa 2½
B Sa 2½
 B Sa 3
B Sa 3
 B St 2
B St 2
 B St 3
B St 3
 B F1
B F1

—— Grau C ——

 Grau C
Grau C
 C Sa 1
C Sa 1
 C Sa 2
C Sa 2
 C Sa 2½
C Sa 2½
 C Sa 3
C Sa 3
 C St 2
C St 2
 C St 3
C St 3
 C F1
C F1

—— Grau D ——

 Grau D
Grau D
D Sa 1
D Sa 1
 D Sa 2
D Sa 2
D Sa 2½
D Sa 2½
 D Sa 3
D Sa 3
 D St 2
D St 2
 D St 3
D St 3
 D F1
D F1

Topo da página